Em busca de disciplina

16003170_10154374840113877_4563037485770790602_nAinda que essa velha paixão pela escrita nunca se torne algo concreto em meus dia a dia, ainda que escrever seja um hábito raro que se faz presente em breves momentos de ócio mental, ainda que meu sonho de infância de me tornar escritora nunca deixe de ser sonho… Ainda assim, nada me aproxima mais de mim mesma do que permitir que palavras sejam jorradas de minha mente com tamanha facilidade.

Entre poeira e cadernos velhos encontrei hoje recordações: trechos escritos, sejam pensamentos ou histórias com apenas começo, todos inacabados. Achá-los hoje não foi obra do acaso, mas apenas uma tentativa – mais uma – de organizar meu armário na tentativa de começar o ano com tudo em seu devido lugar em busca de “mais disciplina, por favor”. Disciplina, meus senhores, a chave do sucesso. Algo que sempre me escapa pelas mãos, apesar de lutar para obtê-la. Com disciplina talvez já tivesse escrito algo mais consistente do que registros cotidianos e devaneios em pedaços de papeis.

Quem sabe este ano seja diferente, quem sabe eu finalmente descubra como me disciplinar mais, para escrever e ser quem sou plenamente.

Uma frase qualquer

“É o seu caminho, é a sua escolha…”

Aquela frase ecoou em minha mente por alguns segundos. De fato, eu tinha consciência do que tinha acabado de escutar e concordava com aquilo. Porém, nem sempre a lucidez está presente em situações cotidianas. Anúncios viram brigas, brigas viram lágrimas, lágrimas viram amor. E assim a vida segue seu curso. Altos e baixos como dizem.

Mas, o que me chama atenção é a forma como certas palavras viajam através do espaço de um momento. Rasgam pele, tecidos, camadas… voam livremente e pousam onde lhes couber melhor. Nem sempre de maneira graciosa ou compreensiva. Podem pousar em terreno plano e ali permanecer por segundos, minutos, horas, anos… até que a matéria vire pó e o campo de pouso se desfaça no tempo.

Não se pode prever o impacto de uma sentença. Uma frase muda um dia, uma atitude, um pensamento, uma vida…

Tic tac

O tempo se arrastava naquela manhã. O vento frio que cortava ar fazendo com que ela se lembrasse saudosamente dos dias chuvosos que enfrentara na capital. Não parava para pensar muito sobre o tempo em que se manteve afastada. A rotina lhe consumia o suficiente para torna seu pouco e precioso tempo livre um momento de ócio mental. Não se pegava recordando a menos que algo a remetesse diretamente a alguma situação vivida. Talvez esta fosse uma forma de negligenciar a saudade que consumia suas entranhas. O que outrora foi, se foi para não mais voltar. E assim os dias seguiam sem que ela pudesse notá-los.

como pedra, sem ser pedra

Ainda que todos os anjos caíssem, ainda que todas as estrelas deixassem de brilhar, ainda que os girassóis não se virassem mais para o sol, ainda que todas as coisas em que acredito desmoronassem, ainda que minha alma se rompesse em tantos pedaços que não fosse mais possível tocá-la, ainda assim, eu não deixaria de te amar.

Sempre tive certeza dos meus sentimentos. Minha mente é atormentada por ideias, transformações, fluxos, percepções. Mas, o meu amor é sólido. Não muda, não se esgota, ele se renova a partir de sua própria força, ele permanece. A única pessoa com poder para fazê-lo parar de funcionar sou eu. Só depende de mim abastecê-lo com o combustível para que ele continue a existir.

Esse combustível é você quem paga.

It’s been a while…

Não importa quanto tempo passe, nada é capaz de mudar o que já foi.

O que já foi, vai pra sempre ser, mesmo que em um passado remoto, mesmo que apenas durante um breve momento.

Temos o poder de transformar e escolher nosso futuro. Mas, o passado é imutável, impossível de ser alterado. Já foi. Passou. Ficou. Guardou.

Nem por isso ele se perde. Ele existe, em outro tempo verbal, continua lá…